Conferencistas

Marta Thorsheim

Marta Thorsheim

Fundadora do Instituto para a Terapia do Trauma

RESUMO
O que reconhecemos como doença pode muitas vezes ser o resultado de um psicotrauma, assim pode ser sensato perguntar: poderá haver um psicotrauma por detrás da minha doença? Por detrás do meu sintoma?

O conceito de psicotrauma forma uma ponte entre os mundos da psicologia e da medicina porque, da nossa experiência, o psicotrauma é a fonte de muitas doenças que se manifestam no corpo e na psique.

Na minha palestra, no congresso, vou apresentar uma introdução à IoPT – a teoria do psicotrauma orientada pela identidade - e à terapia do Dr. Ruppert, com foco no desenvolvimento do organismo humano vivo (OHV) e o efeito do psicotrauma em todas as principais funções do OHV, desde o início da vida. Vou concentrar-me no trauma inicial – o Trauma da Identidade - e a verdade notável de que, com as constelações podemos recordar as memórias primordiais, mesmo as do tempo em que estávamos no interior da barriga da mãe.

O IoPt juntamente com o método das constelações oferece a possibilidade de dar atenção e abraçar com compaixão as nossas partes infantis e, assim, o que foi antes separado quando o trauma aconteceu pode então ser integrado, sendo oferecida ao OHV a possibilidade de crescer mais saudável.


BIOGRAFIA

Marta Thorsheim foi diretora de empresas internacionais norueguesas e, a partir de 1990, passou a dedicar-se a estudos de psicoterapia. Depois de anos a praticar e a ensinar Psicoterapia encontrou, há 20 anos, a área das constelações. Há 10 anos juntou-se ao trabalho e à investigação do Dr. Ruppert, no efeito físico e psicológico do psicotrauma no ser humano individual e isso tem vindo a ser muito gratificante para ela, tanto pessoal como profissionalmente. O seu instituto, a IoPT Noruega - Instituto para a Terapia do Trauma - baseia-se no trabalho do Dr. Ruppert e oferece seminários e formação em diferentes níveis dentro da IoPT, para alunos e clientes de muitos países.

É coautora dos livros de Franz Ruppert “Early Trauma” e “My Body, My Trauma, My I”.