Conferencistas

Jorge A. Ramos

Jorge A. Ramos

Diretor do Instituto de Ciências Integradas, Investigador, Professor e Psicoterapeuta de Constelações Familiares

RESUMO
Em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que (globalmente) existiam 322 milhões de pacientes de depressão, o que é equivalente a 4.4% da população mundial. Estes números tendem a subir (e.g., aumentaram 18.4% entre 2005 e 2015) e afetam mais as mulheres do que os homens, de todas as idades e classes sociais.

Em 2018, a OMS indicou que existiam (mundialmente) cerca de 60 milhões de pacientes bipolares, cerca de 50 milhões de pacientes com demência e cerca de 23 milhões de pacientes de esquizofrenia. Salientou também que a taxa de mulheres sujeitas a violência (física e/ou sexual) foi de 35% (i.e., uma em cada três). Acresce que, nos países com elevados rendimentos, entre 35% a 50% das pessoas com perturbações mentais não recebe tratamento. Esta taxa sobe para 76% e 85% nos países de rendimentos baixo e médio. Portanto, urge encontrar soluções psicoterapêuticas.

Sabendo que as Constelações Familiares (CF) produzem, em geral, bons resultados clínicos, parece ser relevante empreender um movimento de legitimação científica que facilite o recurso da população em geral às CF e que contribua para mitigar a escada mundial e epigenética das psicopatologias. Em Portugal, o Instituto de Ciências Integradas™ é pioneiro neste movimento legitimador.

Nesse sentido, irei apresentar o que define uma psicoterapia, o que a forma e o que contém; quais são os estágios inerentes a um processo de legitimação científica; e dissertar sobre o estágio atual das CF, assinalando necessidades para o seu presente e para o seu futuro como psicoterapia clássica, integrativa e vanguardista.

 

BIOGRAFIA
Natural de Lisboa. Licenciado em linguística (FCSH-UNL) e em psicologia (ISCTE-IU) e mestre em psicologia clínica (ISPA-IU). Diretor-executivo do Instituto de Ciências Integradas™. Trabalha com terapias complementares desde 1998. Professor e psicoterapeuta de Constelações Familiares desde 2002. Escritor e investigador independente.

Conheceu as CF em agosto de 2001 quando assistiu a uma palestra e demonstração de CF (por Frank Arjava Petter). Tendo ficado fascinado, no mês seguinte participou num workshop de CF (em Sevilha, com Rakasa Lucero e Vedanta Suravi). Ficou o desejo de aprender com o fundador das CF, o que aconteceu em dezembro de 2001 com uma formação (em Toledo) dirigida por Bert Hellinger. Iniciou a divulgação das CF em Portugal em 2002: em março organizou um workshop com Frank Arjava Petter e outro em maio com Rakasa Lucero. Também em maio recebeu a sua segunda formação em CF (em Cáceres) com Rakasa Lucero. Dois meses depois, iniciou o seu trabalho como terapeuta de CF. Mas, continuou a receber formação dirigida por Bert Hellinger (em Palma de Maiorca, dezembro de 2002).

Em maio de 2003 recebeu uma formação mais aprofundada na Alemanha (em Penzberg) com Bert Hellinger (e outros professores da primeira geração) e continuou a participar em outros workshops (com diversos terapeutas). Desde 2004, tem aprofundado o trabalho com as CF, através da sua prática clínica, de onde resultaram novas intervenções psicoterapêuticas e novas teorias. Entretanto, foi criando (em conjunto com a esposa, Sandra Ramos) uma estrutura programática e pedagógica original que, em 2009, se consubstanciou numa formação de terapeutas de CF e que hoje (enriquecida pela sua formação em psicologia clínica) se designa por Curso de Formação de Psicoterapeutas de Constelações Familiares.

Dos seus vários Professores de CF (tendo com alguns deles trabalhado também os seus próprios temas) destaca, por ordem alfabética: Albrecht Mahr, Bert Hellinger, Bertold Ulsamer, Dagmar Ingwersen, Eva Madelung, Guni Baxa, Gunthard Weber, Hunter Beaumont, Jacob Schneider, Rakasa Lucero, Sieglinde Schneider e Ursula Franke.